Preguiça. Muita preguiça.

Eu admiro gente que, aos 30 e tralalá de idade, posta uma foto no Instagram, com os pés enterrados na neve e a legenda “minha primeira neve!” sem medo de ser julgado por um bando de panacas, que viajam pra Europa desde bebê, porque papai e mamãe são podres de ricos.
Eu gosto dessas pessoas que não conhecem uma palavra difícil e tem a coragem de interromper a conversa e perguntar: “ei, o que isso significa?” sem sentir vergonha de parecer menos letrado.
Pago um pau pra nêgo que senta com o chefe e diz “cara, não entendi. Explica de novo?” no lugar ficar apavoradinho na cadeira, sem saber o que fazer, só para não passar vergonha ou pra não ficar mal na fita com os coleguinhas mais descolados.
Tiro meu chapéu pra quem não tem a louca e perturbadora necessidade de contar vantagem sobre as peripécias que já aprontou, as baladas alternativas que faz, as roupinhas vintage compradas no brechó de Palermo e, especialmente, sobre as bandinhas indie novas (e chatas) que ninguém mais conhece.
Acho louvável quando conheço um cara que é seguro o suficiente para não ter que ficar falando aos quatro ventos sobre as modeletes que já pegou por aí e sobre todas as garotas que dispensou, mas que continuam a seus pés.
E sério, acho incrível quem tem a simplicidade de admitir que errou no lugar de ficar jogando a culpa nos outros. E, hoje em dia, está cada vez mais raro encontrar quem assuma seus atos.
Acho , de verdade verdadeira, que muito mais valem as qualidades de uma pessoa do que sua religião, seu cartão de crédito, sua posição profissional ou seus lindos olhos azuis.
E é por isso que eu peço encarecidamente: acorda, minha gente! Já passou da hora de ser babaca, né?
Vamos dar valor pro que realmente interessa. Vamos procurar menos problemas e, se eles realmente existirem, encará-los de frente no lugar de fugir ou dar desculpinhas.
Quer saber? Tá na hora de parar de reclamar e ser feliz com as coisas que você tem e sabe e não com as que você almeja ou gostaria de saber. Até porque, essas aí só vão vir quando você souber viver bem com o que tem e não com o que planeja conquistar.
Pois é. Hoje eu levantei da cama cansada de mimimi e de gente que fica tentando se encaixar em moldes ridículos sem nem saber do que gosta de verdade.
Juro, tô farta de quem vive pedindo mais e mais pra vida no lugar de olhar em volta e agradecer o que tem.

Para ler ouvindo Jimi Hendrix – Pali Gap

3 responses to “Preguiça. Muita preguiça.

  1. Não sei como cheguei no seu texto. Só achei que você é foda e falou tudo que eu sempre quis ouvir de uma mulher. Casa comigo? Se aceitar, eu preenchi o formulário para poder escrever com o meu e-mail! Jajajajajaja

  2. Oi Betão. Que fofo você. Obrigada. Bom saber que tem gente (sensata) que concorda com o meu desabafo!😉

  3. Eu que te agradeço, Sassá. Sempre fico contente quando encontro um blog que faz diferença. Devorei todos os textos (amei o do pezinho e o do sanduíche). Já tá na aba dos favoritos. Parabéns!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s